.mais sobre mim
.Para ti Carine...
Sempre que precisares, tens aqui toneladas de força para te ajudar... 10000000000000000000000000000
.Maio 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


.posts recentes

. Desculpa ter-te perdido!

. "Esta, meu amor, é a minh...

. Amo-te Mãe!

. Amor é mais que tudo, sim...

. Fechei os sentimentos, an...

. Mar... O meu refúgio

. Não sei...nada sei...e dó...

. Um miminho...

. Desafio... Confiança

. Escolhas e Decisões

.arquivos

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

.tags

. todas as tags

.pesquisar
 
.Fazer olhinhos
.Pensamentos...
"Amar não é aquilo que queremos sentir mas sim aquilo que sentimos sem querer"
blogs SAPO
.subscrever feeds
Domingo, 16 de Novembro de 2008
Cinema ao domingo

 

 Para os meus pais, o domingo é e será sempre o dia para estar com a família, e como tal, hoje fui visitar os meus avós paternos á aldeia. Se o dia foi da família, a noite foi planeada com os amigos. Combinei com o meu grupo de amigas ir ao cinema. Estava envolvida e entusiasmada com a história misteriosa que o filme continha, quando o meu telemóvel começou a vibrar. Era uma mensagem do meu irmão, que numa escrita meia atrapalhada me dizia para ir rapidamente para casa. Fiquei seriamente preocupada, o que se teria passado? Saí discretamente. A noite estava fria e solitária. Caminhava apressadamente pelo passeio, apenas o canto melancólico das árvores me fazia companhia. Cheguei a casa. A porta estava entreaberta, as chaves do meu irmão estavam caídas no chão, as luzes estavam silenciosamente apagadas. Um turbilhão de perguntas invadiu o meu interior a uma velocidade estranhamente vertiginosa. Onde estaria ele? Estaria a sentir-se mal e foi pedir ajuda? Algum ladrão tentou assaltar a nossa casa? Porque estava a porta aberta? E os meus pais, onde estavam? O medo apoderou-se de mim, não sabia se devia entrar, ou ir pedir ajuda. Entrei. Fui caminhando até á cozinha. Acendi as luzes. Tudo estava normal, não estava nada arrombado, nem fora do lugar. Sentei-me no sofá, perto da lareira. O silêncio imperava de forma assustadora. Quando de repente, o relógio da sala tocou, assinalando as 11 horas da noite, as luzes apagaram-se, e um ouvi grito arrepiante, sufocante, estridente e perturbador, que vinha de um dos quartos. Pareceu-me familiar…era… era o meu irmão, ele precisava de ajuda. Estava completamente em pânico, mas não podia ficar ali, tinha de fazer alguma coisa, algo se passava. No meio da escuridão, levantei-me, e tentei alcançar através de apalpadelas uma frigideira. Consegui encontra-la, e segurei-a bem na minha mão direita. Fui percorrendo o corredor muito lentamente, apenas sentia o bater do meu coração, que gritava assustado. Nunca antes aquele corredor me parecera tão grande, parecia que a cada passo que dava recuava dois. Senti passos. Passos que vinham de alguém que caminhava atrás de mim. Parei, e senti uma mão pesada pousar sobre o meu ombro esquerdo. Fiquei imóvel, inerte, sem reacção e um frio gelidamente inefável e cortante apoderou-se do meu corpo percorrendo-o á velocidade da luz. Mas, sem tempo para pensar, e instintivamente, girei num movimento incrivelmente rápido e acertei-lhe em cheio na cabeça com a frigideira. Senti um alívio arrepiante quando percebi que ele estava caído no chão.
- David, onde estás, ele já não te faz mal. – disse eu para o meu irmão.
As luzes acenderam-se, o meu irmão apareceu á minha frente envolto de sonantes gargalhadas de gozo. Fiquei atarantada, afinal o que se passava ali. Primeiro tinha soltado um grito que pedia ajuda, e agora ria-se á brava. Num gesto lento, olhei para trás, as feições da face do sujeito que estava deitado no chão não me eram estranhas. Aproximei-me mais, e, não, não podia ser, era o Jorge, o amigo do meu irmão, com quem eu tinha uma relação muito especial, há algum tempo. Tentei ajuda-lo, passei-lhe água pela cara, e ele começou a abrir os olhos estremunhado. Fixou os meus olhos, e ainda atordoado, disse:
- Esta é a forma carinhosa que tu tens de receber os teus amigos??
O meu irmão não parava de rir, e então percebi tudo. O Jorge vinha visitar-me e queria surpreender-me, não daquela maneira, mas o meu irmão fez o favor de dar o seu toque mais emotivo e assustador á surpresa, envolvendo-nos numa cena dos seus filmes.
(história ficticia para a Fabrica de Histórias)

sinto-me:

publicado por sp às 15:48
link do post | comentar | favorito
|

1 comentário:
De Cloudy a 18 de Novembro de 2008 às 15:42

Coitado do Jorge! Afinal na história o surpreendido foi ele! Muito bom!


Comentar post